top of page

O VOLUNTARIADO COMO UMA PRÁTICA DE VIDA


28 de agosto é o Dia Nacional do Voluntário. A inspiração pode vir de pessoas anônimas ou de executivos de empresas multinacionais, como Adriana Sofia Cardenas Ruiz, com atuação nas áreas de Negócios, Planejamento, Consultora de Gestão e Treinamento & Desenvolvimento.

A bagagem mais valiosa que Adriana Sofia trouxe para o Brasil foi prática do voluntariado. Aqui continuou o engajamento que viveu no seu país de origem (Paraguai) nos desafios para manter organizações que fazem um bem enorme para as pessoas e para a sociedade e sofrem todos os dias para assegurar suas estruturas e atendimentos, como o no Instituto Amazilia, Kabbalah Centre Brasil e o Instituto Gabi.

“A conexão com o voluntariado começou cedo, aos 10 anos de idade. Minha mãe eu ajudamos uma freira que foi professora dela na escola, em Assunção. Visitamos pessoas com doenças mentais e levamos alimentos e roupas nos presídios”.

Voluntariar é para quem não tem tempo

Adriana Sofia divide seu tempo com viagens internacionais a trabalho e o programa de voluntariado quinzenal com os fundadores do Instituto Gabi e, uma vez por mês, com os colaboradores da ONG. “No mundo corporativo o minset das pessoas que estão dentro das organizações é muito diferente ao que a gente encontra no terceiro setor. Nem bom nem ruim, só diferente, com seus desafios particulares. Ter a oportunidade de começar a expandir este processo com as equipes do Gabi tem sido fantástico”.

A cadeia do bem só pode se multiplicar

Como prática de vida, o voluntariado é uma extensão da vida profissional e até familiar. As relações são reciprocas. “Eu prego sempre por dar um serviço de qualidade, entregando o melhor em tudo em qualquer serviço que prestamos, por isso hoje meu trabalho voluntario no Gabi tem a mesma dedicação que uma empresa que me contrata. No terceiro setor muitas vezes só vemos com o filtro da caridade, com isso muitas vezes podemos cair no erro de seguir promovendo a escassez e não assim a abundância. É preciso evitar cair neste erro”.

Adriana Sofia buscou inspiração com seu primeiro chefe no mundo corporativo que dizia ‘O ser humano é um animal de costume’ e aprendeu que para receber um trabalho de excelência é preciso fazer seu trabalho com excelência, para ver uma transformação na sua organização é preciso ser esta transformação. Ela cita o Rav Berg, fundador do Kabbalah Centre, uma vez preguntado por um garoto sobre qual é o verdadeiro propósito da vida, ele respondeu: “Vir de uma maneira e sair transformado. Compartilhar é o melhor caminho para se transformar”.

O voluntariado em números

De acordo com a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, 56% da população adulta no Brasil diz fazer ou já ter feito alguma atividade voluntária na vida. O número de voluntários ativos também é bem expressivo: são cerca de 57 milhões de brasileiros comprometidos com atividades voluntárias.

No Instituto Gabi o programa de voluntariado atua duas frentes: presencial e à distancia. Dezenas de voluntários auxiliam no Programa da Nota Fiscal Paulista, no Bazar, na divulgação e no atendimento de PCD/TEA, com a supervisão da coordenação. O voluntariado foi matéria no Jornal Nacional: (17) Instituto Gabi – Jornal Nacional – YouTube.

O que diz a Lei do Voluntário?

A Lei nº 9.608, promulgada em 18 de fevereiro de 1998 define o voluntariado como a atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou a instituição privada de fins não lucrativos que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social.

Alguns pontos importantes da Lei do Voluntariado incluem:

  1. O trabalho voluntário é caracterizado por ser realizado de maneira espontânea, sem que haja qualquer forma de pagamento ou remuneração.

  2. A lei prevê que o voluntário e a entidade onde ele irá atuar devem celebrar um termo de adesão, que estabelece as condições e responsabilidades das partes envolvidas.

  3. A jornada do voluntário não pode ser superior a 8 horas diárias e 44 horas semanais, caso o voluntariado seja exercido no mesmo local onde o voluntário trabalha.

  4. Não cria qualquer vínculo empregatício entre o candidato e a organização, sendo uma atividade prestada por vontade própria e sem finalidade lucrativa.

Serviço:

Para saber mais sobre Voluntariado no Instituto Gabi e pautas de Inclusão, Pessoa com Deficiência (PCD) Transtorno do Espectro Autista (TEA), ESG, Responsabilidade Social e outros

(11) 99156 7835

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page