Este é o Valeriano Clemente e sua filha mais nova, a Letícia Martins Clemente, de 18 anos, que é atendida pelo Instituto Gabi há mais de oito anos. Ele trabalha como cobrador de ônibus, mas também faz um trabalho voluntário: tem um time de futebol feminino, de campo e salão, que reúne atletas de 13 a 31 anos. Valeriano conheceu o Gabi por meio de amigos e vibra ao falar sobre os avanços conquistados pela filha. “Ela melhorou muito em muitos aspectos. Ela fala bem melhor e tem mais autonomia, pois era bem dependente”.

E o que este pai especial tem a dizer a outros pais que, assim como ele, têm filhos com deficiência: “Eu aprendi muito com a Letícia. Era nervoso, mas me tornei uma pessoa mais calma. Descobri que o principal para um filho com deficiência é dar carinho, atenção, companheirismo e suporte. Mas o principal é o amor: isso é tudo o que eles precisam!”